POR QUE O FACEBOOK ESTÁ EM DECLÍNIO?

O Facebook está em queda vertiginosa. Se há alguém culpado por esta “ladeira abaixo”, pode ter certeza que não são os usuários, não são as empresas e não são os investidores. Abaixo, procuro listar algumas pesquisas que realizo sobre as dificuldades encontradas pelo Facebook e as causas de sua queda de usuários, empresas e investidores.

  • Vazamento de dados do Facebook: a empresa de consultoria e ex-parceira do Facebook, Cambridge Analytica, é suspeita de vazar dados de mais de 50 milhões de usuários para influenciar eleitores americanos nas eleições de 2016, em que Donald Trump elegeu-se Presidente dos Estados Unidos. Para garantir que o vazamento de dados dos usuários não se estabeleça nas próximas eleições para Presidente do Brasil, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, declarou faremos tudo para garantir a integridade das eleições no Brasil. Em seu perfil no Facebook, declarou em 21/03/2018 que “vamos restringir ainda mais o acesso aos dados dos programadores para evitar outros tipos de abusos. Por exemplo, vamos remover o acesso dos desenvolvedores aos seus dados se você não tiver usado seu aplicativo em 3 meses. Vamos reduzir os dados que você dá a um aplicativo quando você assinar – para apenas seu nome, foto de perfil e endereço de e-mail. Vamos exigir que os programadores não só sejam aprovados, mas também assinem um contrato para pedir a qualquer pessoa que aceda às suas publicações ou outros dados privados. E vamos ter mais mudanças para partilhar nos próximos dias”.

 

  • Queda na bolsa: com o vazamento de dados, deu-se a queda de suas ações na bolsa dos Estados Unidos, aproximando-se a 50 milhões de dólares. O gráfico da Nasdaq mostra os indicadores que atestam a maior queda da rede social em sua existência.

 

 

  • Investidores na bolsa estão parando de investir no Facebook, como mostrei no gráfico acima. Além disso, após declaração de Zuckerberg de que as páginas orgânicas não mais apareceriam nos feeds de notícias de seus fãs, acabou obrigando a pagarem para a exposição. Ou seja, o Facebook viciou o pagamento para a publicidade, o que desagradou alguns investidores. Ações nas variações de seu algoritmo, que fizeram com que empresas (principalmente as de jornalismo) somente apareceriam nos feeds de notícias dos usuários se investissem em seu Facebook Ads. Folha de São Paulo fez uma declaração aberta de não mais publicar no Facebook.

 

Em uma entrevista exclusiva com Laurie Segall, da CNN, Mark Zuckerberg pede desculpas por como sua empresa lidou com o desastre da Cambridge Analytica.

 

  • Fake News: a pior derrota do Facebook para as empresas. O Facebook surgiu como uma Rede Social, para amizades, para papos com familiares e amigos, para fazer novos amigos. Conhecendo as pessoas de perto, lá na intimidade que ultrapassa a vida offline, em seus compartilhamentos, notamos que as notícias que muitos compartilhavam, sem checarem as fontes, eram duvidosas. E algumas pessoas são assim: compartilham pelo título da matéria e sua imagem, muitas vezes, sem lerem a publicação.

 

 

ELEIÇÕES NO BRASIL E O REFORÇO DO FACEBOOK CONTRA NOTÍCIAS FALSAS

Em entrevista á CNN, Zuckerberg certificou que a rede social reforçará seus critérios não só para garantir as eleições legislativas dos Estados Unidos em 2018. “Há uma grande eleição na Índia neste ano, há uma grande eleição no Brasil. Você pode apostar que estamos realmente comprometidos em fazer tudo o que for preciso para garantir a integridade dessas eleições no Facebook. Há um trabalho duro que precisamos fazer para tornar mais difícil para que estados-nação como a Rússia façam interferência eleitoral; para fazer com que trolls e outras pessoas não espalhem notícias falsas“.

Será que as eleições no Brasil estarão mesmo livres de notícias falsas?

Luciana Manfroi

Consultoria, palestras e cursos sobre Marketing Digital para negócios.